A volta do Orgulho Brasileiro

Rio2016 (4 of 4)

O sucesso da Olimpíada Rio2016 mostrou ao mundo e aos brasileiros o potencial do Brasil.

Foram quase dois anos só ouvindo falar de crises, doenças, problemas políticos e financeiros. A tensão pré-olimpíada foi grande, problemas com terroristas, obras não terminadas e dúvidas na capacidade do país de sediar o maior evento esportivo do mundo. Porém, após o grande show de abertura, os problemas ficaram em segundo plano e o espírito olímpico tomou conta do Rio de Janeiro.

Organizadores, voluntários e brasileiros que acompanharam os jogos se orgulham de dizer que fizeram parte da olimpíada brasileira. Eduardo Pereira, um dos voluntários, descreve essa olimpíada como “os jogos das superações”, recordes foram quebrados e o Brasil superou todas as expectativas fazendo um evento bonito e organizado. Já para Bel Sorgenfrei, que foi para o Rio de Janeiro para assistir aos jogos, o orgulho foi do começo ao fim. Esse orgulho foi percebido no povo carioca, que recepcionou bem os turistas, nas estruturas que foram criadas para os jogos, na segurança, nos voluntários e na animação do povo brasileiro a cada nova vitória. Ela também lembra da afirmação do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) que disse que o Rio estava preparado para receber outra Olimpíada e todos os estrangeiros que saíram maravilhados com as belezas do Rio de Janeiro.

Benefícios Olímpicos

Além de uma quantidade grande de turistas movimentando a economia da cidade, os jogos trazem uma nova perspectiva a longo prazo. Segundo Humberto Castro da equipe de fotografia e imprensa da Rio 2016, com os jogos Olímpicos no Rio vários jovens e crianças tiveram a oportunidade de assistir esportes que nunca tinham visto antes. Estar em contato com o “clima” olímpico e conhecer modalidades novas incentiva as crianças a ter interesse e ver um futuro no esporte.

Os moradores também perceberam uma mudança, mesmo que temporária, positiva na cidade. Bruna Lucena, voluntária nos jogos e moradora do Rio de Janeiro, notou uma melhora na segurança, no transporte público e na limpeza da cidade. Os jogos deixaram para o Rio de Janeiro uma nova linha de metrô e lagoas mais limpas.

Não existe jogos olímpicos perfeitos

Quando o Brasil foi escolhido para sediar a olimpíada houve muitas críticas relacionadas aos problemas sociais do país. Mas não foi só no Brasil que isso aconteceu, esse é um assunto levantado em quase todos os jogos independente do país. Para os organizadores não existe olimpíada perfeita. A Canadense Jane Voytcheff que veio trabalhar na equipe de gerenciamento de fotografia contou que para os jogos de inverno de 2010, em Vancuver, também houve muitas manifestações contrárias aos jogos. Os protestantes alegavam que a cidade tinha muitos moradores de rua e por isso não tinha estrutura para receber os jogos. Em 2016, seis anos após os jogos ela conta que os estádios continuam em uso e que os jogos beneficiaram principalmente crianças e jovens que conheceram muitos esportes novos.

E os atletas, gostaram do Brasil?

Após a grande vitória contra a Alemanha o jogador de futebol brasileiro Renato Augusto falou sobre o quanto ficava orgulhoso de ser brasileiro quando via a torcida. Já a britânica Keri-Anne Payne, medalhista de prata na Olimpíada de Pequim na maratona aquática, se emocionou ao ver a estátua do Cristo Redentor durante a prova. Disse que agora tinha a chance de contar para todo mundo que competiu na praia de Copacabana. Para o holandês Sjef Van den Berg, que competiu na modalidade arco, foi uma honra competir na cidade do carnaval. O Irlandês Jason Smyth, atleta paraolímpico que já possui quatro medalhas de ouro no atletismo, declarou que nunca esteve em um país com tantas belezas naturais e pessoas tão gentis.

Como foi a rotina dos voluntários:

Diário de uma Voluntária:

4 thoughts on “A volta do Orgulho Brasileiro

  1. Que texto legal,
    Adorei esse post, adorei mesmo, muito bem escrito e falado.
    As olimpiadas foram ótimas realmente, algo inesquecivel, gostei bastante mais até do que achei que fosse gostar e…quantas emoções tivemos ein.
    Bjs

Deixe uma resposta