As histórias de viagem do meu pai

Pensei muito sobre o que escrever para o dia dos pais e resolvi contar um pouco das histórias e de como meu pai sempre me influenciou e me inspirou a me aventurar pelo mundo! Aqui em casa ele é quem tem a cor de pontinho dominante no nosso mapa de lugares já visitados e o que tem mais histórias de viagem para contar. Ele esta sempre nos bastidores do blog mas hoje resolvi contar um pouco mais sobre ele afinal, se a minha vida é maluca cheia de histórias com arraias, mochilões e aventuras é porque estou aos poucos conseguindo o que eu sempre quis quando eu era pequena: Ser igual ao meu pai!

As histórias de viagem do meu pai são muito malucas. Ele já pegou um trem conhecido como “trem da morte” dentro de um vagão de tomate como “carona” em um mochilão pela América do Sul. Quando morou na Alemanha deixou o cabelo crescer para não ter que pagar o corte e andava por lá com uma camiseta dizendo “sou do terceiro mundo”. Ele é professor e já deu aulas em vários lugares do mundo. Recentemente ele foi até para a Arábia Saudita e para entrar lá não existe visto de turista, ou seja, você só pode ir se tem família lá, é peregrino ou se é convidado para trabalhar pelo governo, como foi o caso dele. Para ir ele também precisou ler as 80 páginas de regras sociais como em quais áreas homens podem ir, como tem que se vestir e com quem ele pode ou não pode falar. (Inclusive desde que ele voltou estou esperando um post especial sobre a Arábia aqui no blog)

Ele que me incentivou a ir fazer intercâmbio Austrália, afinal ele foi o primeiro paranaense a ir fazer intercâmbio para lá pela AFS quando ele tinha 17 anos. Meu pai também foi um dos primeiros a acreditar no blog, ele é o “paitrocinador” oficial de tudo que acontece e também sempre me ajuda na correção dos posts e dando palpites na hora de fazer mudanças.

Ele é muito determinado e focado, eu queria muito ser igual a ele. Recentemente ele resolveu começar a tocar gaita e até que conseguiu aprender algumas músicas o problema é que agora ele não para de tocar. Ele também resolveu trocar o carro pela bicicleta e agora pedala 10km por dia para ir trabalhar. Transformou o porão da casa em uma cervejaria e, além de fazer cerveja, no verão ele usa as panelas gigantes para fazer chá mate de 100 em 100 litros porque ele acha que dá menos trabalho fazer tudo de uma vez do que fazer todo dia.

Meu pai é a pessoa mais inteligente que eu conheço e acho que muita inteligência as vezes gera um pouco de esquisitice e teimosia. No caso dele é sempre em relação a redes sociais e celulares. Apesar dele ser professor de informática, adorar estudar novas mídias, ir para congressos internacionais falar sobre inteligência coletiva e aplicativos, tem um nokia velho (aqueles que não quebram de jeito nenhum) e não passa muito tempo online nas redes sociais.

Hoje ele não estava aqui, eu e meu irmão achamos que o dia dos pais tem que ser junto com o pai (ainda mais quando seu pai está em Boston) mas ele nos ensinou que dia dos pais é todos os dias e que pode ser comemorado amanhã quando ele voltar de viagem!

Feliz dia dos país!

Ps: Eu só espero que ele leia este post antes do próximo dia dos pais, porque como ele não usa whatsapp, quase nunca entra facebook e sempre lê os textos do blog antes de serem publicados, vou ter que mandar um sinal de fumaça avisando para ele ver os textos já publicados no blog hoje <3

 

 

2 thoughts on “As histórias de viagem do meu pai

  1. Dida, não precisou de sinal de fumaça desta vez! Nada como algumas horas a espera de uma conexão no aeroporto para eu entrar no seu blog e ver o que você estava aprontando 🙂
    Obrigado pela mensagem, filha. Acho que sua mãe e eu conseguimos passar para você muitos outros valores que nos fazem sentir orgulhosos da filha que temos, além do gosto por viagens e da companhia para “colocar o pé na estrada”.

Deixe uma resposta