Um dia em Valparaíso e Viña del Mar, Chile

Latitude -33.0080556

 

Joãozinho fingindo que sentou pra foto e não pelo cansaço <3

A post shared by Alessandro Lunelli (@luunelli) on

 

Em toda sua extensão, a costa oeste do Chile faz fronteira com o imenso e gelado Oceano Pacífico. Localizadas a pouco mais de 100km da cidade de Santiago, onde nos hospedamos por 4 dia

s, as simpáticas cidades de Valparaíso e Viña del Mar são o destino litorâneo mais visitado do Chile, famosas pela cultura cosmopolita e, claro, pelas praias.

O ideal é reservar pelo menos dois dias para conhecer as duas cidades, as praias e as cidades litorâneas mais a norte. Mas, como tínhamos apenas 4 dias para conhecer Santiago, o litoral e os andes, conseguimos reduzir o roteiro de visita para apenas um dia. Neste post, explico como chegar, o que visitar e como ir de uma cidade à outra gastando pouco!

Como chegar a Valparaíso?

IMG_0878Uma vez em Santiago, você pode alugar um carro e seguir a Ruta 68, um serviço de turismo (que custa por volta de 35.000 pesos chilenos) ou, mais economicamente, ir de ônibus. Duas empresas chilenas fazem o trajeto com veículos saindo a cada 15 minutos do terminal Alameda ou Pajaritos: a Pullman e a Turbus. Já expliquei aqui no blog como se locomover em Santiago! Mesmo que os preços entre as duas não se diferenciem muito, nós escolhemos a Turbus pois a qualidade do ônibus é muito maior e alguns veículos double-deck possuem janelas panorâmicas. Não nos arrependemos! Compramos as passagens online no site da companhia, saindo por volta das 7:00 do Terminal Alameda com destino a Valparaíso. Para volta, compramos o trecho Vinã del Mar – Santiago, saindo às 18:00. Mais abaixo eu explico como fazer o translado entre as duas cidades!

Valparaíso

Valpa, como é chamada pelos habitantes locais, é a típica cidade portuária: comerciantes, feiras e gente para todo lado. A primeira impressão muitas vezes não é positiva, mas é impossível não se cativar quase instantaneamente pelo colorido e pela alegria da cidade. Mesmo com o detalhado roteiro que eu posto aqui, maior dica que eu posso dar é: perca-se. Ande por onde puder andar, use os funiculares, suba os morros! As casas coloridas, empilhadas e as ruas cheias de grafitti dão uma belo incentivo à caminhada.

Chegamos de ônibus pelo Terminal Rodoviário de Valparaíso por volta das 9:00. Com um mapa que conseguimos no balcão de informação, fizemos uma caminhada muito rápida até o Mercado Municipal. Diferente de Santiago, onde encontramos restaurantes no Mercado Municipal, ali é bem diferente: comerciantes autônomos vendem frutas, verduras, carnes e peixes. O Chile é famoso pela qualidade das frutas! Não deixe de experimentar. 😉

Seguimos do Mercado Municipal por uma longa caminhada pela Av. Brasil, a mais importante da cidade, até o Arco Británico, doado pela Colónia Británica de Chile à cidade em 1910, comemorando os 100 anos de independência. Dali, fomos até a Plaza de la Victoria, onde está a Catedral de Valparaíso.

Ainda andando, seguimos para o Museo a Cielo Abierto, uma rua que, como o nome diz, é um museu a céu aberto que conta com 20 murais pintados por artistas reconhecidos como Roberto Matta e Mario Carreño, entre outros! Mesmo que cansativo, vale muito a pena! É importante reconhecermos a cidade como um instrumento para comunicação e expressão artística! Além disso, o Museo é caminho para a La Sebastiana, uma das três casas do poeta chileno Pablo Neruda, ganhador do Nobel da Literatura e morto em 1973. Como já havíamos visitado a La Chascona em Santiago, não visitamos a casa de Valpo!

Na manhã do dia da nossa visita, estava nublado e chuviscando um pouco. Não contávamos com o frio depois de dois dias sob 40º em Santiago! Por isso, nas fotos, não conseguimos ver muito do colorido dos morros de Valpo. 🙁

IMG_1058 IMG_1218 IMG_1059 IMG_1060  IMG_0920
Clique para ver em tamanho maior. Da esquerda para direita: Arco Británico, Museo a Cielo Abierto e ônibus elétrico de Valparaíso.

Por volta de 12:00 o tempo já estava abrindo e decidimos ir para Vinã del Mar. Dica: Viña tem muito mais opções de alimentação do que Valpo!

De Valparaíso para Viña del Mar: metrô, taxi ou ônibus?

Chegamos no litoral com a ideia de que faríamos o trajeto entre as cidades de Valparaíso e Viña del Mar de metrô. Inaugurado em 2005, ele possui mais de 20 estações, que incluem Valparaíso e Viña del Mar! As estações são de facílimo acesso em Valpo, todas à beira mar. Não é difícil encontrá-las. O valor, como é comum no Chile, depende do horário e da distância, variando de 320 a 1451 pesos. Uma viagem da estação Bellavista até a estação Viña del Mar custaria por volta de 460 pesos chilenos por pessoa no horário de baixo fluxo. Porém, o uso do metrô requer a compra de um cartão que custa 1200 pesos, com uma carga mínima de 550 pesos.

A corrida de táxi custa cerca de 18000 pesos chilenos e o Uber não chega na cidade!

Porém, ao acaso, enquanto andávamos para a estação de metrô, encontramos na rua Yungay uma espécie de lotação que faz o trajeto até Vinã del Mar por 490 pesos por pessoa! Bem mais em conta. Demorou por volta de 15 minutos!

Vinã del Mar

Descemos da lotação perto do terminal de ônibus de Viña del Mar, a ideia era fazer um trajeto a pé desde o Parque Quinta Vergara até o Museo Fonk, então até as praias, o Castillo Wulff e o relógio das flores. Porém, honestamente, não há muita coisa no parque além de um belo anfiteatro a céu aberto. Como estudo arquitetura, foi enriquecedor, porém se você tem pouco tempo, escolha descer no Relógio das Flores e fazer ao contrário o mesmo trajeto que eu fiz.

Depois de descer no Relógio das Flores e visitá-lo, ande a Playa Caleta Abarca, uma das melhores que conhecemos na cidade. O único problema é que essa praia não é muito bem atendida com comércio, mas vale a visita e, talvez, um mergulho nas geladas águas do pacífico! Depois, ande pela La Marina até o Castillo Wullf. Construído em 1906 pela família Wullf e tombado como patrimônio arquitetônico do Chile, possui quartos que funcionam como salas para exposições temporárias de pintura, fotografia e esculturas, entre outras obras de arte, além de um mirante externo com uma bela vista para cidade.

IMG_1035 IMG_1217 IMG_1017
Clique para ver em tamanho maior. Da esquerda para direita: Relogio das Flores e vistas a partir do Castillo Wulff.

Uma caminhada de 20 minutos pela San Martín leva até a Playa El Sol, onde resolvemos sentar e contemplar o mar e a paisagem. Essa praia, além de bonita (mesmo que um pouco suja, mas fomos no começo da temporada e talvez ela ainda não estava recebendo tanta atenção) também é atendida com uma feirinha de artesanato e algumas barracas de comida. Os preços são bem acessíveis, diferente dos restaurantes e bares da cidade.

IMG_1038 IMG_1214 IMG_1215
Clique para ver em tamanho maior. Da esquerda para direita: Playa Caleta Abarca e Playa el Sol.

Depois disso, andamos pelo meio da cidade até o Museo de Arqueología e Historia Francisco Fonck, ou apenas Museo Fonk, lar de um Moai verdadeiro doado pelos habitantes da Ilha de Páscoa! Depois disso, encontramos ao acaso uma imensa feirinha na esquina entre as ruas Libertat e Estero, repleta de roupas, lembrancinhas, souvenirs e os livros mais baratos que encontramos no Chile. Aproveite para enriquecer a cultura local, sempre!

IMG_1062 IMG_1063 IMG_0968
Clique para ver em tamanho maior. Da esquerda para direita: Museo Fonk, rua da cidade e feirinha da rua Libertat.

As duas cidades são muito bonitas e merecem a visita. Prepare-se para andar bastante! Aqui no blog você também encontra meu roteiro de viagem e dicas de hospedagem em Santiago, além da longa viagem de ônibus pelos Andes e pela Argentina até Buenos Aires.

Alessandro Lunelli é curitibano, estudante de Arquitetura e Urbanismo e escreve para o Qualquer Latitude como colunista. Instagram: @luunelli

28 thoughts on “Um dia em Valparaíso e Viña del Mar, Chile

  1. Tava procurando ainda agora na net e encontrei esse postado ainda agora… kkkk
    Vou mês que vem para o Chile com minha mãe e queria saber se precisa comprar essas passagens com muita antecedência…?
    Vc acha melhor pernoitar em Valparaiso ou Vinã del Mar?
    Sabe de algum passeio de barco por essas cidades?

    1. Oi Aline! Nós compramos com antecedência pra garantir as poltronas da frente. Como você pode ver na foto, a janela panorâmica permite que a paisagem seja beeeem aproveitada! 😉 Você pode tentar comprar lá no terminal mesmo um ou dois dias antes. Não ficará sem! Só não deixe pra comprar na hora, a procura é bem grande 😉

      Quanto a pernoite, acredito que vai mais do seu estilo de vida haha. Tanto Valpa quanto Viña são bem agitadas, mas Valpa tem aquele ar mais de interior, é um lugar onde eu escolheria uma pousada simples e pequena. Viña é mais cosmopolita, cheia de prédios, pessoas… Uma cidade maior! Talvez tenha mais opções de hospedagem!

      Têm passeios de barco sim! Não fizemos porque nosso tempo era curto. A empresa mais famosa é a BlueValpo, que combina um passeio com jantar e festa. Mas eu não saberia informar preços nem itinerários. Desculpa!
      Tem também uma empresa especializada em mergulhos! Se chama Austral Divers. Só tem que ter coragem de ficar na água gelada do pacífico! rs

      Obrigado pelo comentario! Espero ter ajudado!

    1. Oi Flavi!
      Foi a minha primeira viagem internacional também! Com bastante planejamento dá pra gastar pouquíssimo!
      Beijos!

    1. Oi Mallu! Com certeza o Chile é um must-go place! rs
      Acho importante que a gente enalteça a cultura latino-americana com seu recente histórico de lutas e tenha uma imagem diferente daquela que imaginamos.
      Espero alcançar Pernambuco em breve!
      Obrigado!!! Um beijo!

    1. Nana, e se eu te contar que a gente se iludiu com a história de “não tá frio” e ficamos completamente queimados pelo mormaço!? hahahaha vivendo e aprendendo!
      A experiência vale muito muito muito a pena! A gente nem pensa no cansaço!
      Não conheço Porto Alegre, ainda. Mas chego aí em julho! Um beijo!

  2. Olá!
    Que lugar lindo! Fiquei sabendo que o Chile era um país em alta para conhecer, mas esse foi o primeiro post que vejo tão bem detalhado sobre esse destino. Além de fotos lindas, as dicas práticas ajudam muito quem não quer viajar com guias.
    Gostei de saber que lá o grafitti é ponto turístico… São Paulo tem muito o que aprender.

    Beijos!
    Gatita&Cia.

    1. Obrigado, bom saber que está sendo de alguma ajuda! <3
      Com certeza São Paulo tem muito o que aprender! Não tinha feito essa relação. Mas tá aí um ótimo exemplo!
      Beijos, Tatiana!

  3. Ual. Valpa! Certamente é o lugar que eu gostaria de fazer um curta. Achei bem bonito. Eu que moro em cidade pequena e não tem nada de bonito aqui para ver eu já fiquei impressionado com essas construções. Certamente um lugar para conhecer. Que bom que aproveitou e de forma certa, andando mesmo, explorando e se perdendo. Pegando metro e conhecendo as coisas porque não é todo dia que temos essas oportunidades. Essas vistas, esse mar? Realmente vale a pena!

    1. Sim, Rodrigo! Acho que a gente nunca conhece um local de verdade se a gente se aventurar só pelo trecho turístico. A imersão cultural inclui o transporte público, as comunidades carentes, o supermercado… rs
      Obrigado pelo comentário!

  4. OI!
    Tenho muita vontade de conhecer o Chile entre outros lugares, tenho uma listinha pequena e espero um dia conseguir realizar rs. Gostei do seu post e indicações de como e para onde ir. Um beijo.

  5. Quando a minha vó era mais nova ela conheceu o Chile… Vou mostrar esse post para ela.
    Toda a vez que eu entro aqui eu me trannsporto para um lugar diferente desse mundão… invejinha branca de você viu

    bjos.

    1. Hahahaaha que isso, Camyli! Planejando direitinho qualquer pessoa pode fazer essa viagem! Juro! 😉
      E as viagens são importantes por isso: criam memórias insubstituíveis! Tenho certeza que sua avó lembra do Chile com carinho. Um beijo!

  6. Olá, tenho um amigo que visitou o Chile alguns meses atrás e fiquei encantada com os relatos e fotos que trouxe, é um país lindo mesmo, quem sabe um dia estou por aí também.
    Beijos e sucesso.

Deixe uma resposta