Vida quase no Polo Norte

ski suéciaLatitude: 63°10’N.

O frio de Estocolmo e Boulder foram só um aquecimento para Östersund – uma cidade no meio da Suécia, cinco horas de trem ao norte de Estocolmo. Um destino um tanto inusitado, mas o que a gente não faz para passar o ano novo com os amigos? O principal motivo desta viagem foi rever algumas amigas do intercâmbio. Entre a Austrália e o Brasil, achamos a casa da nossa amiga Sueca um bom ponto de encontro. O ano-novo com mais frio e com a maior espera da minha vida. Se aqui, que escurece às 8h00, já demora para a tão esperada meia-noite chegar, em uma cidade que escurece às 3h00 da tarde… Anoiteceu, fomos ao supermercado, preparamos o jantar, nos arrumamos e arrumamos a casa, mais gente chegou para a festa e, só depois de tudo isso, já no escuro, a virada do ano chegou. Quanto ao primeiro dia do ano, o programa foi patinar em um lago congelado nas as poucas horas de claridade.

Patinando no lago congelado

O principal atrativo turístico da cidade são as montanhas e a arena de Biatlo – um esporte que surgiu na Noruega, que é uma junção de Cross Country Ski e tiro. Östersund sediou a abertura da IBU World Biathlon Championships em 2008.

viagem para a Suécia Nossos primeiros dias foram relativamente “quentes”, mas logo a temperatura chegou a -25°C! Era difícil ficar fora de casa, o cabelo chegava a congelar e formar pequenas mechas brancas. Depois de uma tentativa sem muito sucesso de esquiar, cheguei a conclusão de que quem nasceu para construir castelos de areia não faz boneco de neve! Essas brincadeiras de inverno parecem muito mais fáceis nos filmes de Natal…

Temperatura de neve

Passar dez dias em um lugar não turístico, vivendo como os Suecos, me fez perceber o quanto temos sorte com o clima. Neve é muito bonito, mas viver sem sol, com a pele ressecada e no frio intenso, é uma experiência divertida para algumas semanas nas férias, mas para se viver… Tem que estar realmente muito bem preparado.

2 thoughts on “Vida quase no Polo Norte

Deixe uma resposta